Estudo da UFG afirma que destruição da Amazônia gera impactos nos ciclos ecológicos do planeta


A triste imagem que você vê foi transformada em mais estatísticas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O resultado do estudo revelou que entre 2007 e 2008 o ser humano ceifou 3,8% mais árvores da Amazônia legal do que revelam os dados da pesquisa anterior. Isso equivale a 11,2 mil quilômetros quadrados. O Pará foi o campeão de desmatamento com 5.180 quilômetros quadrados, seguido de Mato Grosso, Maranhão e Rondônia.

Quando o resultado foi divulgado na grande imprensa, há quase três meses, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, logo disse: “O aumento pode ser considerado uma estabilização”. Isso porque de acordo com ele, o desmatamento ficou bem abaixo das expectativas do ministério para este ano. Dá para acreditar? No entanto ele rebateu: “O que eu quero é o desmatamento zero”.

Efeitos da destruição
O homem compensa a destruição com mais destruição. Uma pesquisa feita pelo Programa de Doutorado de Ciências Ambientais, da Universidade Federal do Goiás (UFG), a partir de dados cartográficos, orbitais e censitários, revela que o desmatamento na Amazônia gera a intensa fragmentação de habitats, o que ocasiona, segundo os dados, alterações em sua diversidade e composição biológica: “O desmatamento na Amazônia é responsável por consideráveis mudanças em processos ecológicos, tais como ciclos de nutrientes e polinização.

Os números também afirmam que a intensa fragmentação de habitats, favorece a degradação de florestas e a mortalidade de árvores, além de danos aos dosséis, aparentemente causados por mudanças micro-climáticas e aumento na turbulência de ventos.

Amazônia
Situada na porção centro-norte do Brasil, a Amazônia é cortada pela linha equatorial, que compreende áreas de baixa latitude. Seu território legal ocupa dois quintos do continente e mais da metade do país. Nove nações estão incluídas nesse espaço, são eles: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela.

O território amazônico envolve 3.581 Km², o que equivale a 42,07% do Brasil. A Amazônia legal cobre 60% do território nacional brasileiro, ou seja, cinco milhões de Km², números que englobam os estados do Amazonas, Acre, Amapá, oeste do Maranhão, Mato Grosso, Rondônia, Pará, Roraima e Tocantins.

Fúlvio Costa
Reações: 

1 Response to "Estudo da UFG afirma que destruição da Amazônia gera impactos nos ciclos ecológicos do planeta"

  1. Wlyssys Yguana Says:

    Olá caro amigo!!
    gostei muito do artigo. É de interesse de todos a preservação da natureza, como um todo, É necessário que seja, de imediato, tomada medida enérgicas para que a preservação das matas possa valer.

Postar um comentário