Economia solidária muda realidade social de mulheres no estado de Goiás


Um grupo de 23 mulheres da região da estrada de ferro que liga Goiânia a Catalão (GO) desenvolve há quase dois anos a confecção de bolsas com algodão industrial que cai de caminhões e carretas na rodovia GO-030. O Projeto teve início com a participação de um grupo de 12 mulheres domésticas e donas de casa que não tinham renda até então.

A irmã catequista missionária e membro do Mutirão para a Superação da Miséria e da Fome, organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Maria Inês, é a coordenadora da iniciativa. Ela trabalhava em vários projetos de caráter econômico solidário, entre eles a utilização de frutos que eram descartados para venda, bem como na confecção de utensílios recicláveis.

“É impressionante a quantidade de algodão que despenca de caminhões e carretas nas rodovias de Goiás. Cerca de 5% do material se perde no meio do caminho”, explica irmã Inês. “Com esse material estamos tendo oportunidade de mudar a realidade de um grupo de mulheres que não tinham renda”, acentua a freira.

As bolsas, por terem baixo custo na confecção, são vendidas a preços que variam entre R$ 15 e R$ 20. Irmã Inês lembra também que as bolsas são vendidas em feiras artesanais e de materiais recicláveis em cidades como: Silvânia, Vianópolis e outros municípios do interior de Goiás.

Fúlvio Costa
Reações: 

1 Response to "Economia solidária muda realidade social de mulheres no estado de Goiás"

  1. HILTON RAFAEL Says:

    Interessante seu blog, pois está voltado para a questão ambiental que é tão debatida nestes tempos de tansformação do mundo, gosto do enfoque que é dado para a reciclagem e desenvolvimento sustentável, parabéns.
    Gostaria de saber como as mulheres recolhem o algodão que cai dos caminhões?
    Abs.

    www.direitorafael.blogspot.com

Postar um comentário